Curiosidades

esqesp-small[1]

Em 1543 os Portugueses chegaram à ilha de Tanegashima, sendo os primeiros europeus a estabelecer contacto com o Japão. Durante o século XVI foi grande a influência portuguesa no país.

Os japoneses, curiosos e ávidos de conhecimento, no contacto com os portugueses, ganharam uma noção correta da configuração do planeta, dos seus continentes, povos e oceanos. Passaram a ter contacto com diversos produtos e técnicas que até então desconheciam; enriqueceram a sua dieta alimentar; melhoraram as técnicas metalúrgicas, de construção naval e meios de navegação; deixaram-se seduzir pelas roupas e armaduras ocidentais; aprenderam novas línguas, como o português e o latim; adquiriram novas noções estéticas e diferentes estilos artísticos, a pintura a óleo, a matemática, a geografia, a engenharia e a música; passaram a conhecer e a usar o relógio, o vidro, os espelhos e a lã; experimentaram um novo tipo de farmacêutica e medicina; conheceram um novo estilo urbanístico e importaram invenções revolucionárias como a espingarda (e com ela o uso da pólvora) e os óculos.

Em 1549, São Francisco Xavier chegou ao Japão ao serviço de Portugal para divulgar o Cristianismo no país.

picture1[1]

Algumas das maiores fontes de divulgação da cultura ocidental foram as escolas e seminários fundados pelos missionários jesuítas no Japão. Um grande número de japoneses convertidos, jovens e adultos, aprenderam com os padres diversas matérias. Para além dos temas religiosos, do português e do latim, também estudavam música e pintura. Foi nos recintos educacionais dos jesuítas que a pintura à base de tinta de óleo e os instrumentos musicais ocidentais começaram a ser conhecidos e usados pelos japoneses.

Os Portugueses introduziram as armas de fogo (Teppo) no Japão, contribuindo assim para a unificação política do país, provocando a alteração das artes de guerra.

A roupa que os portugueses vestiam impressionou os japoneses do século XVI e certos aspetos da indumentária lusa foram rapidamente adotados. Ainda hoje, não só existem as palavras de origem portuguesa como também é notória a influência do traje português da época em certas peças japonesas. A adoção do botão (butan) e o uso da capa e do gibão (juban, no Japão – tipo de roupa interior, geralmente de cor branca, para usar debaixo do kimono) são disso exemplo.

Foram introduzidas no Japão, pelos portugueses (em especial pelo Padre Diogo de Mesquita), novas espécies de animais e vegetais: figueira, pereira, pessegueiro, marmeleiro, oliveira, videira (para produção do vinho das cerimónias religiosas cristãs) e o hábito de criação e consumo de animais domésticos, como por exemplo: a galinha, o pato, o coelho…

Luís de Almeida, foi o responsável pela introdução da medicina ocidental no Japão. Em Oita (Funai) foi fundado o primeiro hospital e ali se realizou a primeira operação cirúrgica. Ainda hoje existe naquela cidade um hospital com o nome deste missionário. Também se deve a Luís de Almeida a criação do primeiro orfanato e a introdução do leite animal na alimentação infantil.

Em 1570 foi fundada a cidade de Nagasaki, com características únicas no panorama urbanístico do Japão. Embora o Japão seja bastante montanhoso, todas as cidades se estendem pelas poucas planícies existentes, com excepção de Nagasaki, uma cidade que nasceu das necessidades do comércio marítimo português, tendo sido a escolha da sua localização – uma baía profunda rodeada de montanhas – feita em função da acessibilidade do seu porto.

porto-de-nagasaki-small[1]

Foram também os missionários os responsáveis pela introdução da Tipografia. Em 1590 foi introduzida no Japão uma impressora com carateres móveis. Os carateres (blocos de madeira ou metal onde estão esculpidas ou fundidas as letras) também se passaram a produzir com carateres japoneses e serviram para imprimir o primeiro dicionário de Japonês-Português (primeiro dicionário de japonês numa língua ocidental), as primeiras gramáticas de língua japonesa e trabalhos de índole religiosa. O primeiro livro em japonês a ser impresso foi “A Doutrina Cristã”, em 1591, em Amakusa (Kumamoto).

 

 

 

“Unsun Karuta”

As cartas de jogar foram introduzidas no Japão através das trocas comerciais com Porugal, que se desenvolveram em meados do século XVI.

As cartas que os marinheiros portugueses traziam, e com as quais se divertiam, tinham diversos desenhos e imagens coloridas, transformando-se numa atração inédita para os japoneses da época.

Durante a Era Tensho (1573 até 1591) foi produzida em Kyushu, nomeadamente na região de Fukuoka, uma versão japonesa destas cartas, à qual se deu o nome de “Carta Tensho”.

Contudo, com o aumento da utilização da “Carta Tensho” nos jogos a dinheiro, em 1597 este jogo foi proibido.

Já em plena época Edo, uma nova versão da “Carta Tensho” foi elaborada, com regras mais complexas e novas imagens e desenhos. Denominada Carta Unsun, era composta por 75 peças.

Os nomes destas cartas (desenhos e imagens) ainda preservam fortes influências portuguesas.

karuta121[1]

A Carta Unsun rapidamente se tornou popular em todo o território japonês. Porém, a implantação da Lei de Proibição Geral dos Jogos, em 1787, fez com que esta tradição desaparecesse quase por completo. Apenas no Município de Hitoyoshi, na Prefeitura de Kyushu, região cercada de montanhas, onde o jogo de Cartas Unsun não era praticado como jogo a dinheiro, esta tradição conseguiu ser preservada e até hoje transmitida de geração em geração.

Outras curiosidades

bugatti1[1]

GP Bugatti – Auburn 851 Convertible – dos anos 30, propriedade  de Waldemar Fonseca Araújo (foto), nessa altura diplomata português em Tóquio, é uma importante peça da Coleção da Honda. Este automóvel sobreviveu à Segunda Guerra Mundial e pode ser visto na Província de Tochigi, na fábrica de automóveis Honda.

O Bugatti de Waldemar Araújo, depois de ter sido reparado em Londres. É actualmente peça da colecção da Honda Collection Hall

O Bugatti de Waldemar Araújo, depois sofrer reparações em Londres. É actualmente peça da colecção da Honda Collection Hall

Algumas palavras japonesas de origem portuguesa:

  • Bateren (padre)
  • Battera (bateira)
  • Bidoro (vidro)
  • Birodo (veludo)
  • Botan (botão)
  • Buranco (balanço)
  • Joro (jarro)
  • Juban (gibão)
  • Karuta (carta)
  • Kappa (capa)
  • Konpeito (confeito)
  • Kirisutan (cristão)
  • Oranda (Holanda)
  • Orugan (Orgão)
  • Pan (pão)
  • Shabon (sabão)
  • Tabako (tabaco)
  • Tempura (tempero ou têmpuras)