A curta-metragem «Arena» de João Salaviza, a única película portuguesa a concurso no 62º Festival de Cannes, venceu este domingo a Palma de Ouro na categoria de Curtas-metragens.
João Salaviza, de 25 anos, que já tinha visto «Arena» ser premiada no IndieLisboa, agradeceu em Cannes a oportunidade para mostrar o seu amor pelo cinema.

Este é o primeiro filme de João Salaviza, que até ao momento apenas tinha experimentado a câmara com o filme «Duas Pessoas, integrado no curso da Escola Superior de Teatro e Cinema.
Para o jovem cineasta, a exibição do filme em Cannes – o que aconteceu no sábado – já era uma vitória.

«Arena» é a história de Mauro, um rapaz que está a cumprir uma pena em prisão domiciliária e que enfrenta o dilema de transgredir a lei para acertar contas com um grupo de miúdos que também vivem à margem da lei. Este é um filme sobre violência urbana e juvenil, sobre bairros problemáticos que enchem páginas de jornais.

“(..)o Palma de Ouro é uma maravilha, mas bastante inesperado», considerou a produtora, acrescentando que o prémio poderá dar «continuidade» ao trabalho do jovem realizador João Salavisa.”

João Salaviza fica a partir de hoje na História dos grandes do cinema português.
Com apenas 25 anos, o realizador acaba de transformar-se no primeiro português a vencer uma Palma de Ouro.
Cannes rendeu-se a Arena e deu-lhe o galardão para melhor curta-metragem.

Salaviza escreveu, filmou em 35mm e montou Arena, que conta com Carloto Cotta e Rodrigo Madeira nos principais papéis.
Esta é a segunda curta realizada pelo português (a primeira foi Duas Pessoas, de 2004, escrita por Inês Clemente, responsável pelo som em Arena). A fotografia é de Vasco Viana e a produção de François d’Artemare, Maria João Mayer (Filmes do Tejo).
Ficção, Portugal , 2009, 15′, 35mm
Argumento: João Salaviza
Fotografia: Vasco Viana
Som: Inês Clemente
Montagem: João Salaviza